Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19jun

    AGÊNCIA ESTADO

    O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, voltou a ter seu nome envolvido no caso que ficou conhecido como Dossiê dos Aloprados.

    O escândalo ocorreu durante a campanha eleitoral de 2006, quando pessoas ligadas ao PT teriam tentado comprar um dossiê contra tucanos, entre eles o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra.

    A tentativa era de ligá-los a um esquema de desvio de verbas no Ministério da Saúde, a chamada máfia dos sanguessugas.

    Na época, a Polícia Federal (PF) prendeu em um hotel de São Paulo o empresário Valdebran Padilha e o advogado Gedimar Passos com R$ 1,7 milhão guardados em uma mala, que supostamente serviria para a compra de informações.

    Em reportagem publicada na edição da Revista Veja que entrou em circulação neste sábado (18), Mercadante é citado em gravação à qual a publicação teve acesso, na qual o atual secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal, Expedito Veloso, afirmou a colegas do PT que o plano do dossiê foi “tocado pelo núcleo de inteligência do PT, mas com o conhecimento e a autorização do senador (Mercadante)”.

    “Ele (Mercadante), inclusive, era o encarregado de arrecadar parte do dinheiro em São Paulo.” Mercadante também concorreu ao governo de São Paulo em 2006.

    A reportagem afirma ainda que o dinheiro para a compra do dossiê veio do PT paulista e do então candidato ao governo de São Paulo, Orestes Quércia (PMDB), morto no fim de 2010.

    O objetivo seria levar a eleição para o segundo turno. “Os dois (Mercadante e Quércia) fizeram essa parceria, inclusive financeira. (…)

    As fontes (do dinheiro) são mais de uma. (…) Parte vinha do PT de São Paulo. A mais significativa que eu sei era do Quércia”, afirmou Veloso, segundo a gravação obtida pela revista.

    A revista afirmou que não é a primeira vez que Mercadante tem seu nome envolvido na lista dos aloprados.

    A Polícia Federal chegou a indiciá-lo por considerar que ele era o único beneficiado pelo suposto dossiê. A acusação foi anulada por falta de provas.

    De acordo com a reportagem, Veloso não negou as informações obtidas pela revista.

    “Era um desabafo dirigido a colegas de partido”, disse. Ele afirmou que não sabia que a conversa havia sido gravada.

    Mercadante, segundo Veja, não quis se manifestar.



    Publicado por jagostinho @ 09:31



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.