Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 04jun

    FRANCE PRESSE

    O opositor cubano Guillermo Fariñas (foto) iniciou nesta sexta-feira uma nova greve de fome, a 24ª em 15 anos, para pedir ao governo de Raúl Castro que julgue os “responsáveis” pela morte há 26 dias do dissidente Juan Wilfredo Soto.

    “Iniciei a greve de fome às 12h locais (13h de Brasília)’ exigindo do governo que julgue os autores do assassinato de Juan Wilfredo e deixe de bater em opositores”, explicou Fariñas, 49 anos, por telefone, em Santa Clara, 280 km a leste de Havana, onde disse ter iniciado seu protesto.

    O jornalista, que ainda padece das sequelas da greve de fome de 135 dias que protagonizou em 2010 para exigir a libertação de presos políticos, assegurou que o protesto “ocorrerá até as últimas consequências” e que “apenas aceitará negociar com o governo em igualdade de condições”.

    Soto, de 46 anos, morreu no dia 8 de maio em um hospital de Santa Clara, três dias depois de ter sido brevemente detido e, segundo a oposição, como consequência de um “espancamento” da polícia em um parque central da cidade.

    As autoridades dizem que ele foi detido por “alteração da ordem” e afirmaram aos familiares de Soto, entre eles sua irmã Rosa Soto, que ele morreu por uma pancreatite crônica e que nunca foi agredido pela polícia.

    ESPANCAMENTO

    A dissidência disse, no entanto, que o espancamento pode ter sido o detonador da pancreatite e pediu que médicos forenses –que não fossem empregados do governo– comprovassem o diagnóstico divulgado.

    Membros da dissidência dizem que Soto, único opositor da sua família, lhes contou pouco depois de sua breve detenção no dia 5 de maio que havia sido espancado pela polícia.

    Fariñas destacou que em Santa Clara “há cerca de 30 pessoas que são testemunhas do que ele contou sobre o que lhe fizeram e não foi aberta uma investigação e nem vieram nos perguntar nada”.

    “Além disso, os familiares de Soto têm sido pressionados para que não contem a verdade”, disse Fariñas, que diz ter visto o cadáver e que este tinha hematomas na região lombar.

    O governo considera Fariñas e o resto dos opositores “mercenários” à serviço dos Estados Unidos e diz que o caso de Soto é parte de uma campanha contra a ilha.

    “É responsabilidade do governo o que pode me acontecer”, disse Fariñas ao enfatizar que é possível que ele continue seu protesto na casa de outro opositor em Santa Clara, pois sua família e em particular sua mãe não apoiam seu protesto e “estão desesperados”.

    Fariñas iniciou em fevereiro de 2010 uma greve de fome para exigir a liberação de prisioneiros e em protesto pela morte do preso opositor Orlando Zapata após um jejum por melhorias carcerárias.

    Publicado por jagostinho @ 17:42



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.