Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17maio

    Paraná Online/Felipe Lessa

    Allan Costa Pinto
    Paulo Baier foi o astro da festa rubro-negra. Desfile coxa-branca teve a participação de sócios e homenagem a Kruger.

     

    Coritiba e Atlético disputaram na noite de ontem as atenções da capital paranaense para o lançamento de seus novos uniformes. De um lado, na região do Rebouças, alviverdes tomavam vinho e jantaram em ambiente fino após comportado desfile de camisas. Do outro, no Batel, rubro-negros conheceram seus novos fardamentos tomando cerveja e ouvindo rock, em ritmo de balada.

    A nova linha de uniformes do Coritiba apresentou mudanças maiores apenas na camisa reserva, com listras mais grossas. Quem abriu o lançamento coxa foi nada mais nada menos que Dirceu Kruger, o grande homenageado do clube do Alto da Glória.

    Além de camisas retrô de passeio que remetem aos tempos em que o Flecha Loira desfilava com seu requintado futebol nos gramados brasileiros, o ídolo foi homenageado com uma marca d’água de sua foto estampada no uniforme.

    Ao comentar a homenagem, Kruger falou de nostalgia da década de 1970, quando ganhou definitivamente sua fama no Coritiba. “Fico lisonjeado com a homenagem. Principalmente pelo fato de antes a torcida ter feito a bandeira, mas agora partir da instituição. É uma chance de reviver o passado do clube”, disse ele, emocionado, antes de ser aplaudido por um público composto em sua maioria por engravatados.

    Outro homenageado foi o goleiro Rafael Cammarota. Uma réplica de passeio do uniforme usado por ele em 1985 foi lançada. Alguns sócios-torcedores também participaram do evento, que contou com jogadores como Bill e Marcos Aurélio.

    O clima foi completamente diferente na festa atleticana. Diversos torcedores estavam presentes em meio a dirigentes e funcionários para acompanhar o lançamento do novo uniforme, que mistura modernidade e temas do passado. Na camisa branca, a diretoria optou por relembrar os tempos de Ziquita, na década de 1970.

    Ao som de um cover rejuvenescido de Help, dos Beatles, enquanto a galera rubro-negra ainda conversava empunhando as bebidas oferecidas pela casa, surge Paulo Baier.

    Em meio ao povo, trajando o novo fardamento, o ídolo foi ovacionado. Depois de rápida subida no palco onde estava a banda Decompositores, só deu tempo para o capitão do Atlético fazer uma pequena brincadeira.

    Pouco depois, não havia um que não soltasse o mesmo grito que se escuta em suas entradas em campo na Arena da Baixada. Pouco depois foi a vez de integrantes da torcida organizada Ultras puxarem o hino do clube.

    “Tentamos organizar um evento que mostrasse a verdadeira cara do Atlético. E o Atlético é o povão”, disse o assessor da presidência e ex-diretor do Furacão, Roberto Karam.

    Publicado por jagostinho @ 12:05



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Míriam criptica Disse:

    Que jornalista preconceituoso!!!

    “alviverde, tomaram vinho e jantaram em ambiente fino”…desde quando vinho de garrafão é fino?
    Agora, se serviram um Châteauneuf-du-pape ,ou similar…..alors, je comprends.

    Do outro lado, “rubros negros conheceram seus novos fardamentos, tomando cerveja e ouvindo rock”…
    ” fardamento ficou pejorativo, e, existem cervejas mais caras que certos vinhos. Ouvir rock , é uma delícia. Acho que a festa do Batel estava mais animada!

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.