Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17maio

    Coluna de Celso Nascimento/Gazeta do Povo

    Iniciado há já quatro meses, o governo Beto Richa encontra ainda dificuldades para estabelecer uma agenda positiva – isto é, um conjunto de projetos e ações que levem a opinião pública a perceber sua operosidade ou boas intenções, como seria próprio (ou usual) em todo início de gestão.

    Ocupou-se, neste período, de administrar uma agenda rotineira, quando não negativa.

    O que mais sobressaiu neste período foram as queixas quanto à herança recebida dos governos passados – herança de dívidas que obrigou Beto Richa a decretar a moratória do início do ano, a cancelar licitações, a suspender contratos e a adiar o ímpeto realizador que se quis prenunciar durante a propaganda eleitoral.

    O tal “choque de gestão” ainda não apareceu.

    Poucos foram os fatos produzidos pelo governo que mereceram destaque no noticiário – não apenas nos jornais e televisões, como na própria Agência Estadual de Notícias, o veículo eletrônico pelo qual a administração divulga seus atos.

    Maior repercussão nesses quatro meses mereceu apenas o cancelamento das aposentadorias dos governadores que exerceram mandatos depois de 1988.

    Não há vácuo que não seja inevitavelmente preenchido, diz uma das leis da Física. Não por outra razão, fatos políticos e administrativos de maior relevância atravessaram a praça Nossa Senhora de Salete e se concentraram na Assembleia Le­­­gislativa.

    É este o espaço em que os holofotes insistem em lançar suas luzes – pois é lá que as coisas vêm acontecendo desde fevereiro.

    Datam desse mês as investidas do deputado Valdir Rossoni visando a apagar da história o passado mal-cheiroso que por décadas infestava o Legislativo.

    Se vai mesmo cumprir na íntegra todas as promessas de desinfecção só o tempo dirá, mas é inegável que avanços foram feitos.

    Estrepitosos alguns, como a expulsão pela PM, já no primeiro dia de gestão da nova Mesa, da guarda pretoriana que mandava na Casa.

    Outros foram conseguidos no passo a passo de medidas de transparência, de caça-fantasmas e de redução de despesas.

    E aí aparece uma ironia que, aliás, se concretiza na manhã de hoje.

    O governo que reclamou da herança de dívidas, da falta de recursos para a saúde e da indesculpável omissão da gestão anterior de equipar os hospitais que construiu, receberá da As­­­sembleia cheque no valor de R$ 10 milhões, resultado da economia que fez nos últimos três meses.

    Para ser aplicado onde? No aparelhamento dos hospitais!

    Em outras palavras, por incrível que pareça, sai do Legislativo a solução – ou parte dela – para um problema que o Executivo confessava ter dificuldades para resolver.

    O noticiário positivo de hoje, portanto, foi produzido exatamente por quem, até passado recente, era fonte apenas de notícias negativas.

    O Centro Cívico virou uma terra de contrastes?

    Publicado por jagostinho @ 09:29



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • antonio carlos Disse:

    A crítica do empregado da Gazeta soa meio esquisita, porque até dias atrás ele era empregado do Governo. Hoje se acha no direito e no dever de bater no ex-patrão. Cuspir no prato em que se comeu é muito feio. E não se deve cuspir pra cima, que o cuspo cai na cara da gente. Tony

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.