Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02maio

    Paraná Online/Flávio Laginski

    Divulgação
    “Thor” estreou nesta sexta-feira, dia 29, nos cinemas americanos e brasileiros.

     

    Quem tem o hábito de acompanhar notícias relacionadas ao mundo do cinema, certamente está por dentro de que, neste ano, teremos três filmes baseados em heróis de revistas em quadrinhos: Capitão América (Marvel Comics), Lanterna Verde (DC Comics) e Thor (novamente da Marvel).

    Enquanto o primeiro vem chamando a atenção de forma positiva, deixando todos com boas expectativas (incluindo aí quem não nutre simpatia pelo herói), o segundo, ao contrário, está deixando a grande maioria com um pé atrás após a divulgação de imagens e do trailer, o longa baseado no “deus do trovão” dividia as opiniões.

    Enquanto alguns vibraram com o material divulgado, outros receberam com certo receio. Quem resolveu apostar contra o filme, posso afirmar que a escolha foi errada.

    Thor não só desponta como um dos melhores e mais divertidos blockbusters do ano, como respeita toda a mitologia do personagem nórdico, com algumas alterações que não irão incomodar os fãs mais xiitas.

    Chama logo de cara a beleza da composição do cenário onde fica Asgard, a morada dos deuses nórdicos. Ainda que fique claro o emprego do CGI, o reino mostra-se fiel ao que é mostrado nos quadrinhos.

    Os palácios, principalmente o Valhalla, são um deslumbre, assim como a ponte Bifrost (ou ponte do Arco-Íris), que leva aos outros nove reinos onde fica a dimensão de Asgard.

    Na Terra (ou Midgard, como os deuses se referem), o cenário foi mais “espartano”, concentrando-se basicamente em um deserto e uma cidade pequena.

    Possivelmente por isso, os melhores momentos residem em Asgard e Jotunheim, lar dos gigantes de gelo, inimigos mortais dos asgardianos.

    O elenco mostra-se muito interessante, com alguns destaques. Anthony Hopkins (o psicopata Hannibal Lecter da trilogia “O silêncio dos inocentes”) dá toda a imponência ao dar vida a Odin, pai de Thor e deus supremo de Asgard.

    O tom firme de sua voz e seus atos seguros mostram quem é quem manda no pedaço. Tom Hiddleston, como o antagonista Loki, deus da mentira e da travessura, impõe uma complexidade ao personagem.

    Se nos gibis ele é simplesmente mau, aqui ele se apresenta em uma misteriosa questão, chegando a despertar compaixão no espectador (coisa que não ocorria nos quadrinhos).

    Sua relação de amor e ódio com Thor também mostra-se interessante, sem soar piegas. Chris Hemsworth (“Star Trek”), no papel principal, não brilhou tanto quanto Hopkins ou Hiddleston, contudo, ele conseguiu captar a essência do deus do trovão, que mesmo tendo um ótimo caráter, peca pela sua arrogância e temperamento.

    O restante do elenco, incluindo Natalie Portman (“Cisne negro”), como Jane Foster, e Stellan Skarsgård (“Mamma mia!”), no papel do doutor Erik Selvig, desempenham os seus papéis sem dificuldades, ainda que o Heimdall do ator Idris Elba tenha ficado um tanto quanto robótico.

    As cenas de ação empolgam quem gosta de filmes deste gênero. A sequência em Jotunheim é daquelas em que a gente prende a respiração até o perigo passar.

    A batalha entre Thor e Destruidor, uma máquina asgardiana, também é bem feita, ainda que tenha sido um tanto quanto rápida.

    Tudo isso usando e abusando dos efeitos especiais, mas sem que este uso tenha sido utilizado de forma descartável.

    “Thor” vai agradar em cheio o público que gosta de produções de heróis em quadrinhos.

    Mesmo aqueles que não simpatizam muito com produções do gênero, devem acabar gostando, uma vez que a história é de fácil compreensão, ainda que este tipo de espectador irá ficar sem entender algumas piadas e referências ligadas ao mundo da Marvel Comics.

    Ah, não saiam do cinema até terminarem de passar os créditos. Há uma cena ali que tem envolvimento com o filme dos “Vigandores”, que vai reunir personagens como Homem de ferro, o próprio Thor, Capitão América, Hulk, entre outros, e que estreia em 2012.

    Publicado por jagostinho @ 19:05



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.