Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14jan

    Fonte:- Folha.com

    Paulo Bernardo é contra posse de jornal, rádio e TV na mesma região

    O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) defendeu a proibição de que um mesmo grupo tenha simultaneamente rádio, jornal e TV numa mesma região do país.

    Em entrevista ao programa “3A1”, no canal estatal TV Brasil, o ministro disse que o anteprojeto para uma nova lei de comunicação eletrônica de massa, deixado pelo ex-ministro Franklin Martins, sugere o veto à chamada “propriedade cruzada dos meios de comunicação”.

    O texto, segundo ele, propõe que não sejam autorizadas concessões de rádio ou TV a grupos que já tenham empresas de mídia na mesma região do Brasil. Ele se declarou a favor da restrição.

    Bernardo defendeu que seja dado um prazo para a adaptação dos grupos empresariais que já possuem mídia impressa e radiodifusão na mesma localidade.

    No entendimento do ministro, há concentração excessiva, sobretudo no mercado de TV: “Há centenas de empresas no mercado, mas quatro ou cinco concentram mais de 90% da audiência”.

    Foi a segunda mudança polêmica proposta publicamente por Paulo Bernardo desde que assumiu a pasta.

    Na semana passada, ele sugeriu que políticos sejam impedidos de possuir emissoras de rádio e TV.

    Ontem, na TV estatal, ele insistiu na proposta, que também faz parte do anteprojeto elaborado por Franklin Martins.

    Até agora, o governo de Dilma Rousseff manteve o projeto de Franklin Martins guardado a sete chaves.

    Segundo Paulo Bernardo, é “um projeto de fôlego”, que ainda não está concluído.

    Ele reafirmou que o anteprojeto será examinado por vários ministérios e passará pelo aval de Dilma antes de ser levado à discussão pública, e negou que haja uma tentativa de cercear a mídia.

    “Essa coisa de que queremos controlar, censurar, é bobagem. O Brasil é uma grande democracia e somos guardiões de tudo o que a Constituição estabelece em termos de de liberdade de expressão”, afirmou.

    O ministro deixou claro que o novo governo vai ampliar o número de emissoras educativas.

    As concessões de educativas são distribuídas gratuitamente a instituições escolhidas pelo Executivo, ao contrário das concessões de emissoras comerciais que são vendidas em licitações.

    “Na medida em que houver frequências disponíveis, queremos dar vazão à demanda por emissoras educativas”, disse o ministro.

    Paulo Bernardo criticou a privatização da Telebrás em 1998, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

    Segundo ele, as teles foram vendidas “a preço de banana” e o país “não se beneficiou patrimonialmente” da venda, porque o dinheiro arrecadado foi gasto no pagamento de “juros altíssimos” da dívida pública interna, e não em investimentos.

    Publicado por jagostinho @ 13:43



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.