Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19ago

    FO,LHA DE SÃO PAULO/JÂNIO DE FREITAS

    Os Institutos de Pesquisa parecem disputar uma corrida, cada um ultrapassando os demais na indicação de maior vantagem de Dilma sobre Serra.

    Mas o pior para Serra já não está nos números. O consenso, que tem suas raízes lá atrás, combinou números com fatores passados e presentes, e os superou com uma opinião ouvida por toda parte, próxima da unanimidade: “Dilma não perde mais”.

    É certo que, não fossem os números, não seriam tão extremos os efeitos da má impressão deixada por Serra em sua participação no programa eleitoral.

    A queda dos números, porém, já viera sobrepor-se à imagem de insegurança deixada pela demora excessiva e injustificada da decisão de Serra por sua candidatura.

    Um período, estendido até o último instante possível, que seria de grande utilidade para negociações e articulações, produção de planos originais e propostas inovadoras. Serviu apenas para esgotar Aécio e para Serra ver a ação dos adversários.

    Sensus, Ibope, Datafolha, Ibope e agora Vox Populi (com velozes 16 pontos de vantagem para Dilma) sucederam-se sem explicação mais firme pelo PSDB.

    A repercussão de debate ou entrevista que “não foi captada pela pesquisa” de um instituto foi captada por outro -com resultado igual ou pior. As preliminares dúbias e os números da queda elevaram o programa eleitoral à condição de caminho único para o retorno de Serra aos índices promissores. Deu-se o pior.

    Os programas iniciais são insuficientes para uma visão conclusiva. Podem valer como sugestão do que deve ser esperado.

    Não foi, porém, o que ocorreu em relação a Serra. Os comentaristas de jornal,TV e rádio emitiram verdadeiras sentenças contra o futuro da candidatura, tão mais fortes quanto menos disfarçáveis ou disfarçadas estiveram as simpatias por ela.

    A repercussão não profissional foi idêntica. E, entre políticos aliados de Serra, à parte o grau de empenho e sinceridade da aliança, foi ainda mais terminante.

    Só não se sabe se as lideranças do DEM mandaram ao comitê de Serra uma coroa, em nome do partido.

    Em diferentes proporções, as pesquisas dão sinais de transferência de apoios de Serra para Dilma. A quantidade de indecisos e a dos que chegam a nem saber a quem Lula apoia é, ainda, expressiva.

    Nisso está o problema novo de Serra. Se disputa estivesse acirrada, aquele contingente seria uma esperança. Mas, uma vez formado, o consenso dos dotados de alguma informação propaga-se como incentivo aos indefinidos para aderir à impressão dominante.

    Mecanismo da opinião de massa que não é exclusivo das disputas eleitorais, é mesmo como uma regra geral.

    Neutralizar essa tendência é difícil, quase sempre. Para Serra e sua equipe ainda mais. A inépcia que têm demonstrado para lidar com política e com opinião já desce até o cômico.

    Com o “Zé” que querem pespegar no Serra, no entanto, chamado de Serra em grande parte da propaganda, esqueceram que outro candidato é Zé mesmo, o Zé Maria do PSTU.

    Transbordo, de um Zé a outro, que pode ser inconsciente, mas não deixa de ser sugestivo.

    Publicado por jagostinho @ 14:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.