Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 03jun

    CRÔNICA DE UBIRATAN LUSTOSA

    – Tem pão velho pra dar?

    Assim algumas pessoas paupérrimas pediam esmola quando eu era guri e morava na Praça Ouvidor Pardinho, perto da Igreja do Imaculado Coração de Maria.

    Ali nasci, me criei e vivi até que um dia, já casado, fui morar na Rua Piauí onde fiquei por muitos anos.

    – Tem pão velho pra dar?

    Nem sempre a gente tinha. Criados com os rígidos princípios herdados dos nossos ancestrais italianos, muito cedo aprendêramos a economizar e raramente havia sobras. Nada de desperdício. Caso não se comessem todos os pães, com as sobras eram feitas as torradas, farinha de rosca e pudins. Tudo era aproveitado.

    Doía o coração ver crianças pedindo esmola e nem sempre poder ajudar.
    A vida era bem diferente. Quem pedia é porque precisava mesmo e quem não ajudava é porque não podia

    Em tudo havia temperança. Ainda menino, muitas vezes participei dos mutirões realizados por parentes para construir ou ampliar as suas casas. Os adultos, quase todos com aptidões como carpinteiros, pedreiros, etc., faziam a parte pesada.

    Cabia pra gente que era criança desentortar pregos usados que eramreaproveitados. Às vezes a gente errava a martelada. Os dedinhos ficavam marcados e doloridos por algum tempo, mas não se fugia das tarefas orgulhando pais e mães com nossa determinação. Economia era a palavra de ordem.

    Havia um grande brio nas pessoas humildes. Nada se pedia ou esperava de governos. Com muito controle das despesas ajuntava-se dinheiro para comprar um terreno e nele se fazia uma casinha de madeira onde a família ia morar.

    Depois, mais algum tempo de economia para estocar material e futuramente fazer uma casa maior, de alvenaria. Tudo reunindo os parentes e amigos em mutirões da mais nobre solidariedade.

    Quem queria trabalhar encontrava serviço. Não se ganhava muito, mas dava para viver com decência mantendo a parcimônia.]

    Na miséria apenas se encontravam aqueles que haviam sido vítimas de alguma infelicidade. Vagabundagem era coisa rara. Por isso doía ouvir o pedido humilde:

    – Tem pão velho pra dar?

    Nem sempre a gente tinha, mas tinha uma família briosa que nada pedia ou esperava de governos, trabalhando duro e fazendo da honestidade o seu preceito.

    Sim, eram outros tempos.

    (Do site www.ulustosa.com)

    Publicado por jagostinho @ 09:31



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.