Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19maio

    PARANÁ ONLINE/MARA CORNELSEN

    Deprimido, chorando, sem se alimentar e sem querer falar com outra pessoa que

    Padre Silvio saiu da prisão

    não fosse sua mãe, o padre Sílvio Andrei Rodrigues, 40 anos, foi solto pela Justiça às 15h30 de ontem.

    Ele estava recolhido no Centro de Ressocialização de Londrina e teve liberdade provisória concedida pelo juiz Sérgio Aziz Neme. Não precisou pagar fiança. Ele foi acusado de ato obsceno, corrupção ativa e embriaguez ao volante.

    O religioso foi preso na madrugada de domingo, por policiais militares em Ibiporã (a 15 quilômetros de Londrina), por dirigir embriagado e nu; por fazer proposta de sexo oral para um PM e oferecer dinheiro aos policiais para não ser preso.

    As acusações foram contestadas pelo advogado José Adalberto Almeida Cunha, primeiro a atender Andrei, que negou ter havido tentativa de corrupção e ato obsceno. Ontem, um novo advogado acompanhava o padre, Walter Barbosa Bittar, que também negou as acusações.

    Vinho

    Na versão dos advogados, o padre alterou seu comportamento após beber duas taças de vinho em um casamento, que celebrou em Londrina, onde tem residência e é muito conhecido.

    Mas como toma medicamentos controlados para depressão, passou mal, a ponto de deixar a festa para ir para sua casa e foi parar em Ibiporã. Quanto à nudez (estava vestindo apenas camisa), disseram que ele vomitou na batina. Os policiais que o prenderam afirmaram não ter encontrado sinais de vômito na roupa.

    Inquérito

    O delegado Marcos Roberto Guazzi Belinati, de Ibiporã, pretende terminar os autos em 10 dias. O padre não fez teste de dosagem alcoólica. Porém, segundo o delegado, há relatos de testemunhas quanto à embriaguez e do próprio padre que admitiu ter tomado vinho. No carro dele, a polícia encontrou uma garrafa plástica contendo bebida alcoólica.

    Durante o período em que esteve preso, recebeu somente a visita do padre Júlio Akamine, superior da Congregação dos Palotinos de São Paulo, de onde é subordinado.

    Publicado por jagostinho @ 15:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

4 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.