Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18maio

    PARANÁ ONLINE/ELIZABETE CASTRO

    Pessuti com deputados peemedebistas

    Durante almoço ontem com o governador Orlando Pessuti, os deputados estaduais e federais do PMDB cobraram uma definição sobre a posição do partido nas eleições deste ano.

    A preocupação dos deputados peemedebistas é uma só: o PMDB precisa garantir uma coligação proporcional que facilite a reeleição da maioria deles para a Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados.

    Antes de sentar à mesa com o governador, pré-candidato ao governo, os deputados avaliaram as saídas que dispõem. A primeira é manter a candidatura de Pessuti e fazer uma aliança com o PT, o que incluiria uma coligação proporcional.

    A outra pressupõe a desistência de Pessuti e apoio à pré-candidatura do senador Osmar Dias, formando um “chapão” com PT e PDT e outras siglas que entrarem no projeto. Ou ainda uma variação improvável, com o senador pedetista aceitando entrar na aliança como candidato ao Senado na chapa de Pessuti ao governo.

    Havia uma terceira, a predileta da maioria dos deputados peemedebistas, assentada sobre o apoio à candidatura do ex-prefeito de Curitiba Beto Richa (PSDB) para formar um chapão proporcional com os tucanos.

    Mas esta hipótese caiu em desgraça depois que surgiram as denúncias de irregularidades na Assembleia Legislativa e que atingiram o 1º. Secretário, Alexandre Curi, o mediador das negociações com o ex-prefeito. Alexandre estava cotado para ser o candidato a vice-governador na chapa de Beto.

    O líder do governo, Luiz Claudio Romanelli, que já foi um entusiasta da aliança com os tucanos, agora diz que as bancadas federal e estadual precisam de uma posição das lideranças do partido.

    “O Pessuti e o Requião que pensam bastante sobre o futuro devem nos dizer como é que se compõem as coligações para que, além de suas candidaturas, saiam beneficiados também os candidatos proporcionais”, comentou.

    O deputado Rafael Greca confirmou que a coligação proporcional orienta as posições das bancadas. “A viga mestra é a coligação na proporcional”, disse Greca. Ele acha possível juntar o PMDB, PT e PDT no mesmo palanque de apoio à pré-candidatura da ex-ministra Dilma Rousseff à presidência da República.

    “A política não pode ser um projeto de vaidades. Ainda que a vaidade seja o pecado predileto dos políticos”, observou. Para o deputado Artagão Junior, Pessuti e Osmar Dias poderiam fazer um acordo de apoio para o segundo turno das eleições, se ambos mantiverem as candidaturas no primeiro turno. “Nós não estamos trabalhando com a hipótese de o Pessuti desistir porque as pesquisas internas mostram que ele está tendo um crescimento gradativo”, afirmou.

    Neste caso, Artagão acha que se o senador Osmar Dias demonstra disposição para ser candidato ao Senado na chapa de Beto Richa, poderia fazer o mesmo numa aliança com o PMDB.

    “O Osmar tem dito que sente traído pelo Beto Richa. E ainda assim tem essa chance de ele ser candidato ao Senado com o PSDB. Por que não pode ser conosco?”, questionou.

    Todas as alternativas discutidas pelos deputados e o governador ainda não foram debatidas com o ex-governador Roberto Requião, cuja posição ainda é uma incógnita. Nos bastidores, os deputados confirmam que a impressão geral é que o ex-governador está completamente absorvido na sua própria

    Publicado por jagostinho @ 11:37



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.