Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28mar

    PARANÁ ONLINE/ELIZABETE CASTRO

    O encontro municipal do PT de Curitiba aprovou ontem, 27, uma resolução em defesa do lançamento

    Osmar: muitas exigências

    de candidato próprio ao governo do Estado e contra a aliança com o PDT. A posição do partido em Curitiba contraria o esforço das direções estadual e nacional, que articulam o apoio do partido à pré-candidatura do senador Osmar Dias (PDT) ao governo do Paraná, nas eleições de outubro.

    A resolução foi aprovada em votação da qual participaram 135 delegados eleitos no Processo de Eleições Diretas (PED), realizado em outubro do ano passado. Cerca de setenta por cento dos presentes avalizaram o documento pró-candidatura própria. No momento, existem dois nomes postulando a indicação: o ex-prefeito de Londrina Nedson Micheletti e a ex-secretária estadual de Ensino Superior Lygia Pupatto.

    A moção será encaminhada ao diretório estadual do partido, que se reúne no próximo dia 10 de abril, para deliberar sobre a política de alianças. Neste dia, a direção estadual espera que Osmar formalize a proposta de coligação com o PT no Paraná.

    Durante a reunião de ontem, a presidente municipal do PT, Roseli Isidoro, que integra a ala favorável a aliança, avisou aos participantes do encontro que a moção não terá nenhum impacto na decisão estadual. Sequer será discutida, disse Isidoro, destacando que a discussão das estratégias eleitorais no Estado é de competência exclusiva dos membros do diretório regional do partido.

    A posição do partido, em Curitiba, é só mais um dos pontos de discórdia envolvendo a construção da aliança com o pedetista no Paraná. Costurada pelo presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff, a coligação com o PDT tem como um dos entraves a exigência de Osmar em aglutinar todos os partidos da base aliada do governo federal em torno da sua candidatura ao governo. A principal dificuldade está em convencer o PMDB a aceitar esse acordo.

    Além da pré-candidatura do vice-governador Orlando Pessuti ao governo, o núcleo forte do PMDB, mais próximo do governador Roberto Requião, considera a pré-candidatura de Gleisi Hoffmann ao Senado uma declaração de guerra. Requião também será candidato ao Senado.

    A candidatura de Gleisi também cria entraves junto ao PDT, que vê a mudança de posição da ex-presidente estadual do PT na chapa como a chave para aproximar Requião e o PMDB da coligação. Mas, até uma contra-ordem de Brasília, Gleisi é candidata ao Senado e nada a demove desse projeto.

    Publicado por jagostinho @ 10:18



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

4 Respostas

WP_Cloudy
  • petista Disse:

    A Roseli é muito parcial. Não devia falar que a resolução não vale. Afinal, é uma posição do PT de Curitiba. Não gostei.

  • toninho Disse:

    esse Osmar é muito chato. O PT deve largar mão desse cara.

  • henrique Disse:

    Cá para nós mas os petistas andaram falando mal do osmar. O cara tem que ficar na dúvida mesmo.

  • severo Disse:

    esse final todo mundo sabe. Até junho vcs vão ver. Osmar com Gleisi de vice e eo PMDB junto.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.