Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19mar

    BASTIDORES DA POLÍTICA/CRISTIANA LÔBO

    Desde o ano passado, o maior patrimônio da oposição era o de ter o candidato na frente nas pesquisas: José Serra nunca deixou de ter o maior índice de intenção de votos e, nas simulações de segundo turno, chegar em primeiro lugar.

    De uns tempos para cá, no entanto, são cada vez maiores as chances da candidata governista Dilma Roussef chegar lá.

    De dezembro para cá, Dilma encurtou em 16 pontos porcentuais a diferença que a separa de Serra. Serra caiu três pontos. Se a tendência se mantiver, os dois estarão emparelhados no início oficial da campanha – em junho. Isso, se Dilma não ultrapassar Serra.

    Isso indica que foi correta a estratégia do presidente Lula de colar a imagem de Dilma na sua imagem, tão aprovada pelos brasileiros.

    Nesta pesquisa CNI-Ibope, o seu jeito de governar é aprovado por 83% dos brasileiros e o governo por 75% dos consultados. Se a estratégia de Dilma foi correta, a de Serra está em xeque.

    Ele se recolheu para não se tornar alvo e até hoje não disse ao grande público que vai disputar as eleições. Isso será feito no dia 10 de abril. O PSDB pretende reunir as oposições em Brasília para lançar a candidatura de Serra.

    A partir de abril é provável que os dois candidatos – Dilma e Serra em disputa polarizada como gostaria o presidente Lula – estarão em condições iguais: de pré-candidatos com exposição na mídia equilibrada deles.

    Dilma não terá mais o palanque de governo – as cenas diárias de visitação de obras e inagurações -, apesar de a Advocacia Geral da União assegurar em cartilha que ela poderá ir a eventos ao lado de Lula.

    O resumo da ópera é o seguinte: a oposição nunca deixou de liderar as pesquisas para as eleições de outubro. Mas corre o risco de perder essa dianteira justo no momento decisivo da campanha.

    Isso significa que essa será uma campanha nervosa, sangrenta para alguns, e disputadíssima, mesmo sendo entre um candidato conhecido, que já ocupou vários cargos públicos e disputou as eleições dos últimos 19 anos no país e favorito durante a corrida e uma candidata novata na política, que nunca disputou uma eleição e que entrou no páreo com traço nas pesquisas.

    Só que a candidata governista tem um padrinho forte; e o candidato da oposição, não. E entra em campo na defensiva.

    Publicado por jagostinho @ 11:04



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy
  • dirceu Disse:

    esse Serra alem da cara de vampiro que tem é uma tartaruga de tão devagar que é. Não está com essa bola toda não. Que se ligue, pois a Dilma vem como um trator.

  • nascimento Disse:

    vamos tirar a prova dos nove. Veremos se o Lula consegue transferiri seu prestigio para Lula. Eu acho que não. Em todo caso…

  • fagundes Disse:

    sem o palanque das inaugurações a Dilma já era. Não tem carisma. Queremos administrador e não assaltante de banco.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.