Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02mar

    UOL/NOTÍCIAS

    A definição do candidato a vice-presidente na chapa do PSDB para a eleição presidencial deste

    Paulino-diretor do Datafolha

    ano é decisiva para as próximas pesquisas eleitorais, afirma o diretor-geral do instituto Datafolha, Mauro Paulino.

    Ele também credita a queda de José Serra nas intenções de voto à repercussão negativa das enchentes do início de ano em São Paulo, e não pelo fato do governador paulista ainda não assumir a condição de candidato tucano ao Planalto.

    A pesquisa Datafolha divulgada no último domingo (28) pelo jornal Folha de S. Paulo mostrou que a diferença entre Serra e Dilma Rousseff (PT) caiu de 14 para 4 pontos percentuais, na comparação com o levantamento anterior.

    O governador de São Paulo caiu de 37% para 32% das intenções de voto, enquanto a ministra-chefe da Casa Civil cresceu de 23% para 28%. Ciro Gomes (PSB) ficou com 12% e Marina Silva (PV), 8%, mesmos números da pesquisa anterior.

    Para o diretor-geral do Dafatolha, um possível anúncio do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), como candidato a vice na chapa de Serra seria uma “notícia positiva de impacto” para os tucanos no Sudeste, onde o governador paulista perdeu três pontos percentuais na última pesquisa – a sua candidatura tem mais força nesta região.

    O mesmo raciocínio, segundo Paulino, valeria para a região Nordeste caso o senador Tasso Jereissati – outro nome cotado para ser companheiro de Serra na chapa do PSDB – fosse anunciado. O diretor-geral do Datafolha vê ambos os casos como exemplos do impacto que a figura do vice-presidente pode ter no quadro eleitoral.

    Embora considere as chuvas em São Paulo o principal motivo da queda de Serra na pesquisa, Mauro Paulino admite que a condição “difusa” da candidatura do governador paulista causa muita indefinição no eleitorado.

    “O eleitor só vai poder fazer a comparação dos candidatos quando eles estiverem explicitamente lançados”, diz. Ele acredita que somente as próximas pesquisas irão mostrar se a queda de Serra foi pontual ou se ela é uma tendência.

    Sobre a candidatura de Dilma Rousseff, o diretor-geral do Datafolha diz que a influência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode tanto ser benéfica para a pré-candidata petista, devido à transferência de votos resultante de seus altos índices de popularidade, quanto prejudicial, caso Lula crie uma “sombra” sobre a petista.

    “A comparação do eleitor será tanto de Dilma com Serra quanto de Dilma com Lula”, afirma Paulino. Em sua opinião, a redução da diferença entre Serra e a pré-candidata petista, assim como a polarização das intenções de voto entre ambos, comprova “mais do que nunca” que a eleição presidencial ainda não está definida.

    Publicado por jagostinho @ 10:05



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • nascimento Disse:

    Gostei dos comentários desse cara. Mostrou que entende. Vamos ver os proximos capitulos. A novela só está começando.

  • teixeira Disse:

    acho que a grande tacada é o PSDB ter um vice do nordeste mesmo.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.