Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15jan

    REUTERS

    Os cientistas nos Estados Unidos não ficaram surpresos em 2008, quando o prestigiado Instituto

    Shi Yigon-o retorno

    Médico Howard Hughes, em Maryland, concedeu uma subvenção de pesquisa no valor de US$ 10 milhões ao biólogo molecular Shi Yigong, da Universidade de Princeton.

    Os estudos de células de Shi já tinham aberto toda uma nova linha de pesquisa para o tratamento do câncer. Em Princeton, seu laboratório ocupava um andar inteiro e contava com verba anual de US$ 2 milhões.

    A surpresa -choque, na verdade- ocorreu poucos meses depois, quando Shi, um cidadão naturalizado americano que residia há 18 anos nos Estados Unidos, anunciou que estava partindo definitivamente para trabalhar na China. Ele recusou a subvenção, se desligou de Princeton e se tornou reitor de ciências da vida na Universidade Tsinghua, em Pequim.

    “Até hoje, muitas pessoas não entendem por que voltei para a China”, ele disse recentemente, em meio a um grande número de visitantes em sua sala em Tsinghua. “Especialmente na minha posição, abrir mão de tudo o que tinha.”

    “Ele era um de nossos astros”, disse Robert H. Austin, um professor de física de Princeton, por telefone. “Eu achei que foi uma completa loucura.”

    Os líderes da China não. Determinados a reverter a evasão de talentos que acompanhou sua abertura para o mundo exterior ao longo das últimas três décadas, eles estão usando amplos recursos financeiros -e uma boa dose de orgulho nacional- para atrair cientistas e acadêmicos de volta.

    O Ocidente e os Estados Unidos, em particular, continuam sendo locais mais atraentes para muitos acadêmicos chineses estudarem e realizarem pesquisas. Mas o retorno de Shi e de alguns outros cientistas de renome é um sinal de que a China está sendo bem-sucedida, mais rapidamente do que muitos especialistas esperavam, em estreitar a diferença que a separa dos países tecnologicamente mais avançados.

    Publicado por jagostinho @ 16:55



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • mariano Disse:

    o Brasil tem q fazer o mesmo. Temos muitos cientistas nossos fora do país.

  • leal Disse:

    pais que tem um presidente analfabeto não dá bola para seus cientistas ! Uma lástima

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.