Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21dez

    CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    Afinal, o metrô imaginado e prometido pelo prefeito Beto Richa seria uma obra municipal ou federal?

    A dúvida foi desfeita na última sexta-feira – quando, após audiência com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, o prefeito anunciou que não teria condições de construí-lo sem recursos federais a fundo perdido.

    Isto é, metrô em Curitiba só se Lula pagar a conta de R$ 960 milhões – valor que corresponderia a 66% do custo total, estimado em R$ 1,44 bilhão.

    O galo cantou três vezes em pouco mais de um mês. A primeira vez em que a prefeitura ficou sabendo que não teria o dinheiro de graça veio pela boca da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. A segunda, logo depois, veio através de Paulo Bernardo, em reunião realizada em Brasília com prefeitos e técnicos das 11 cidades-sede da Copa do Mundo.

    E a terceira aconteceu na sexta-feira, quando o ministro reafirmou a impossibilidade de destinar tantos re­­cursos do PAC para uma obra só, já que há demandas de outras capitais a serem atendidas.

    Em novembro, na reunião de Brasília, Richa ouviu de Bernardo a proposta de que, se quisesse tocar a obra, o governo federal estaria disposto a financiar R$ 800 milhões, com 30 anos de prazo e a juros subsidiados – mas nunca a fundo perdido. Era a mesma posição de Dilma Rousseff, agora traduzida em valores e prazos.

    Logo, não haveria motivo para Beto Richa se surpreender quando o ministro reafirmou a proposta. Pelo contrário, tanto sabia que, um mês antes, a prefeitura até havia feito uma contraproposta, aumentando de R$ 800 milhões para R$ 960 milhões o seu pedido.

    Sur­­­preendente mesmo foi o que o prefeito disse na entrevista que deu logo após a reunião no seu gabinete na sexta: “Pensei que fosse a fundo perdido!”

    Nessa mesma reunião, Ber­­­nardo voltou a aconselhar: que a prefeitura inscreva o projeto no PAC 2, a ser lançado no próximo governo. Até lá, quem sabe, torne-se possível a liberação de recursos a fundo perdido. Richa aceitou a ideia.

    O que significa que, se tudo der certo, o projeto só começará a ser reestudado a partir de 2011 – evidentemente, portanto, sem tempo para ser concluído (nem mesmo pela metade como já estava previsto) até a Copa de 2014.

    A alternativa de emprestar dinheiro foi rechaçada pelo prefeito sob a justificativa de que não queria comprometer o futuro das finanças municipais – argumento, porém, que esconde o principal: a prefeitura está com sua capacidade de endividamento esgotada, como ficou demonstrado pela dificuldade em contrair empréstimo do BID para concluir a Linha Verde.

    O metrô curitibano foi promessa da campanha de reeleição em 2008. E foi novamente prometido quando alguém inventou que jogos da Copa do Mundo só poderiam ser realizados em Curitiba se a cidade dispusesse do sistema de transporte subterrâneo.

    Pelo que se vê agora, a promessa baseava-se numa incerteza. Apostava em um fator que não dependia de ação própria. Apostava que, com a Copa, as exigências seriam abrandadas.

    Não deu certo. Vai daí que veio o apelo à fábula de La Fon­­­taine, da raposa e as uvas: o prefeito anunciou também que, entre o metrô e as outras obras previstas para a Copa, preferirá executar as outras. As uvas estavam verdes.

    Publicado por jagostinho @ 12:07



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.