Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21nov

    ASSESSORIA DE IMPRENSA/SENADOR ÁLVARO DIAS

    De olhos bem fechados

    “…Quem não finge/Quem não mente…É que serve de farol”
    A luz de Tieta
    Caetano Veloso

    Diante de protestos isolados neutralizados pela esmagadora máquina oficial que, a qualquer custo, tenta impor um ambiente de unanimidade, o Brasil assiste ao primeiro mandário proferir uma série de afirmações contrárias à verdade. Há um movimento deliberado cuja intenção é enganar, confundir ou transmitir falsa impressão sobre fatos graves ocorridos à luz do dia, encobertos nos últimos tempos pelo apagão que deixou milhões de brasileiros às escuras.

    Os que ousam e arriscam discordar do rei, contestando o arremedo gerencial ou denunciando as “fábulas oficiais”, são penalizados com a pecha de “nazistas”, “invejosos”, “patéticos”, “vendilhões” e outras ignonímias.

    É nosso dever trazer ao debate os equívocos da atual gestão governamental, sem perder de vista que é o momento adequado para refletirmos sobre as necessidades do nosso País no campo da energia, bem como sobre as providências que devem ser adotadas e os investimentos que devem ser realizados pelo Governo para evitar conseqüências mais desastrosas para a economia nacional.

    O apagão surpreendeu a população e deixou atônito o primeiro escalão governamental. As versões colidiram com contradições sucessivas. Sem conseguir se explicar nem mesmo justificar o ocorrido, o governo se perdeu em evasivas.

    Assim, o presidente da República disse uma coisa, o Ministro de Minas Energia apresentou outra versão, e a Ministra da Casa Civil afirmou algo bem diferente.

    Por tratar-se de um assunto técnico, temos a obrigação de buscar informações com profissionais do setor. Ouvimos desses profissionais, por exemplo, que o Governo direcionou investimentos para o eixo de transmissão de energia Norte/Nordeste e abandonou a conexão Sul/Sudeste, onde há sabidamente expressiva demanda de energia.

    Em face da escassez de investimentos, essa conexão passou a operar no seu limite e, mesmo no inverno, o risco era previsível. No verão, nem se fala.

    A ausência de investimentos produz o seguinte efeito: operando no limite, qualquer descuido de natureza humana, técnica ou operacional pode derrubar todo o sistema. E foi exatamente o que ocorreu.

    O esforço para não politizar o debate acerca do tema e o compromisso de uma abordagem responsável do apagão não pode ignorar o aparelhamento em curso das empresas estatais. Não passou desapercebido o programa de estímulo à aposentadoria antecipada em Furnas.

    Muitos técnicos experientes e conceituados deixaram de integrar a empresa sem que houvesse reposição de seus quadros à altura. Com isso, puxou-se para baixo a qualidade operacional.
    O Governo, impulsionado por voraz apetite eleitoreiro, substituiu técnicos por políticos, provocando fissuras na gestão e, sobretudo, queda de eficiência operacional.

    As estimativas iniciais apontam prejuízos para o sistema da ordem de R$350 milhões, sem que tenham sido dimensionadas as perdas sofridas pela população. É aceitável que o Brasil, com as potencialidades de que é detentor, fique exposto a quatro, oito, dez horas de apagão? Outro país evoluído não restabeleceria o sistema imediatamente, em dez ou quinze minutos? Essa é uma pergunta que deve ser feita.

    Só há uma explicação para não se restabelecer o sistema num curto espaço de tempo: incompetência de gerenciamento, incompetência operacional, incompetência técnica, incompetência administrativa.
    Os números publicados dão conta de que o Governo investiu em infraestrutura, nos últimos cincos anos, apenas R$52 bilhões. Dos R$72 bilhões consignados no Orçamento da União, R$ 20 bilhões foram retidos nos cofres do Governo e devolvidos ao Tesouro Nacional por absoluta incompetência do Governo em aplicá-los.

    Os especialistas afirmam que o Brasil necessita de aproximadamente US$30 bilhões de investimentos anuais em obras de infraestrutura. As estatísticas mostram que, nesse período, menos de R$10 bilhões por ano foram disponibilizados. Nessa toada, sempre repetida por mim, estamos semeando um apagão logístico de médio e longo prazos.

    A resposta do Governo Lula às evidências é fingir que não existem problemas nem complicadores no referido horizonte temporal. A capacidade de mentir e negar a existência de fatos públicos e notórios se restaura a cada estação.

    Há pouco, o presidente da República negou a existência do “mensalão”, atribuindo à oposição uma conspiração para derrubá-lo. Não enxergar o esquema criminoso arquitetado nas ante-salas do gabinete presidencial é como negar a visão do mar, do sol, da lua e das estrelas. A cegueira providencial cultuada nos diversos escalões da administração Lula impõe um jogo de olhos bem fechados.

    Senador Alvaro Dias – 1º vice- líder do PSDB

    Publicado por jagostinho @ 11:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • januario Disse:

    O Álvaro pelo menos faz a parte dele. Trabalha, fiscaliza e denunciA. mAS AQUI NÃO TEM JEITO MESMO.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.