Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 16nov

    BLOG DE LUCIA HIPPOLITO – A POLÍTICA TROCADA EM MIÚDOS

    Na primeira aparição depois do apagão, a ministra Dilma Rousseff forneceu a seus marqueteiros um excelente exemplo de como eles vão ter que trabalhar para construir sua imagem na campanha.

    Dilma negou o que disse há duas semanas (“Não vamos ter mais apagão”.) Desdenhou da repórter, ora ironizando (“Minha querida…”), ora sendo claramente descortês e impaciente (“Você está confundindo, minha filha…”).

    Não admitiu falar em “apagão”, mas em “blecaute”, explicando doutamente a diferença entre os dois.

    E foi por aí, deitando regra, ensinando ao Brasil como é que se faz. O quê? Tudo.

    A ministra entende tudo de tudo. No momento, transformou-se em expert em meio ambiente. Esverdeou geral.

    O trabalho dos marqueteiros vai ser complexo. Dilma tem se revelado difícil.

    E mais: não adianta ser falso, criar alguém que não existe.

    Dois exemplos podem ser lembrados aqui.

    Primeiro, é falso creditar a eleição de Lula em 2002 ao publicitário Duda Mendonça. Lula tomou um banho de loja, aparou a barba, cuidou da pele. Isso é trabalho de marqueteiro.

    Deu tão certo, que o presidente tomou gosto. Passou a andar elegantíssimo.

    Mas aqueles que o conhecem sempre afirmaram que, por trás do sindicalista feroz e mau-humorado, havia uma pessoa simpática, brincalhona, piadista. O brasileiro típico, que gosta de futebol, de mulher e de uma bebidinha com os amigos.

    Foi só deixar este Lula aparecer. Os acordos de José Dirceu com empresários e banqueiros fizeram o resto. O Lula que venceu as eleições já estava lá. Não é uma construção de marqueteiros.

    No exemplo contrário, na campanha para a reeleição em 2004, Duda Mendonça tentou transformar a então prefeita Marta Suplicy numa florzinha sempre sorridente e humilde.

    Deu tudo errado.

    Marta é mulher de temperamento forte, e não há nada de mau nisso. É parte do seu capital, a periferia de São Paulo gostava daquele estilo “Chanel na lama”, como dizia o próprio presidente Lula.

    Mas, apertada no figurino da mocinha bem comportada, na primeira saída às ruas, Marta pôs tudo a perder. Bateu boca com uma eleitora, disse umas palavras ríspidas a uma repórter.

    Em suma, destruiu a imagem de boazinha. Era falsa.

    Por isso, não adianta comparar a Dilma de 2010 com o Lula de 2002. Dilma não é Lula.

    Vai dar um trabalho ao marqueteiro…

    Publicado por jagostinho @ 14:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

3 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.